comece aqui vai morar sozinha?

curso Finanças para garotas

conteúdo exclusivo #GIRLGANG

2 Em Finanças

Por que você deveria analisar seu padrão de vida?

Hoje eu queria te contar algo que faz toda diferença quando estamos falando sobre suas finanças: o seu padrão de vida.

Padrão de vida, é como chamamos o conjunto de bens e serviços que influenciam na vida de uma pessoa.

Por exemplo, há pessoas que gastam uma quantia Y por mês com as despesas da sua casa, mas também existem outras que gastam 3x mais, pois podem manter esse padrão de vida.

Eu não estou aqui para te dizer o que é certo ou errado para a sua vida financeira. Você batalha pelo seu dinheiro e tem todo direito de decidir como gastá-lo.

padrão de vida

Estou aqui apenas para te fazer refletir sobre uma questão que pode te ajudar a usar o seu dinheiro de uma forma diferente e a conquistar coisas que você nunca imaginou ter, como um investimento, por exemplo.


Você reconhece a seguinte situação?

“Clara é uma menina esforçada e trabalha na mesma empresa há cerca de três anos. Ela entrou como estagiária ganhando bem pouco, mas depois foi contratada como funcionária efetivada.

Há dois anos ela vem se esforçando diariamente para ser notada e é uma excelente profissional. Clara está sempre investindo na sua carreira fazendo cursos, estudando e até fala inglês fluente. E hoje, Clara finalmente conseguiu uma promoção.

Ela está imensamente feliz, pois recebeu um aumento de 35% no seu salário!

Sem perder tempo, ela já começa a fazer alguns planos:

  • Se mudar para um apartamento maior;
  • Dar entrada em um carro;
  • Passar as próximas férias em um lugar mais aconchegante;
  • Comprar uma bolsa de grife que ela tanto queria.
  • Etc, etc, etc…”

Veja bem, no começo Clara tinha um orçamento X, mas no final tinha X + 35% (X).

Colocando em números, se o salário dessa moça fosse algo em torno de R$3.000, com o aumento de 35% ela teria um novo salário de R$4.050 (R$3.000 inicial + R$1.050 aumento).

Com esse aumento, ela se vê na possibilidade de adotar um novo padrão de vida. Afinal, ela está ganhando mais.

E é esse é o ponto que eu gostaria de discutir com você.

A maioria das pessoas fazem isso, pois pensam: “Agora que eu tenho mais dinheiro eu posso comprar o que antes eu não podia”.

O problema com essa atitude é que, quando analisamos todos os novos gastos incluídos nesse orçamento, não encontramos nada que vá ser um real investimento. Ou seja, o dinheiro está sendo desperdiçado quando na verdade poderia estar sendo investido.

Mas Fran, então você acha que eu devo parar de comprar e viver para sempre na mesmice?

Veja bem, não é isso. Eu acredito que a palavra que mais funciona quando falamos de dinheiro é equilíbrio. Com equilíbrio financeiro você pode ter uma vida boa e também investir em coisas que vão ser úteis para você.

Quando identificamos um aumento na nossa renda, seja por uma promoção no trabalho ou por meio de uma renda extra, temos que ficar atentas em como gastar esse “plus” (que antes não existia) de uma forma inteligente.

Você pode usar esse dinheiro para criar um fundo de emergência, por exemplo. O que é muito mais interessante do que fazer novas dividas no cartão de crédito. Afinal, se algo vier a acontecer, como a perda de um emprego, por exemplo. Você já está preparada e tem dinheiro suficiente para não ficar no vermelho durante esse período. O que é muito melhor do que ter que lidar com uma divida e ainda estar sem emprego.

É interessante observar que sempre que vemos um aumento (por menor que seja) na nossa renda, o nosso primeiro impulso é pensar em como gastar esse dinheiro. Quando na verdade, poderíamos continuar vivendo o mesmo padrão de vida, mas estaríamos investindo em algo que poderia dar frutos, como um imóvel, aplicações que rendem juros e etc…

Muitas pessoas dizem que não conseguem ter essa disciplina, que é muito difícil poupar ou pensar em investir ao invés de gastar. Eu digo para você que isso é mudança de pensamento.

Você mesma tem que se analisar e pensar: “Se eu continuar agindo assim, vou conseguir atingir meus objetivos?”. Se a resposta for “NÃO”, já é um bom incentivo para mudar esse pensamento negativo.

Afinal, você é dona da sua própria vida e ninguém melhor do que você para decidir como gastar o seu dinheiro. Correto? 😀